quarta-feira, 27 de agosto de 2014

A Comunicação na Administração de Conflitos

Comunicação não verbal

A linguagem não verbal é importante na medida em que transmite pistas sobre os verdadeiros sentimentos e intenções das partes do conflito.

Pesquisas revelam que somente 7% da comunicação entre duas pessoas são feitos por meio do significado das palavras:
38% da comunicação provêm do volume da voz e do modo de falar;
55% da comunicação ocorrem pela expressão facial e pela linguagem corporal.

Ou seja, quando estiver frente a frente com alguém em uma situação de conflito, é fundamental atentar para a postura que você assume, bem como para o volume da sua voz e a entonação utilizada.
Prestar atenção a esses indicativos é tão importante quanto o conteúdo da sua mensagem.











Fonte: Curso de Administração de Conflitos - SENAC

terça-feira, 26 de agosto de 2014

Prática de negociação

O negociador como administrador de conflitos
Na administração de conflitos em equipes, o negociador poderá desempenhar diferentes papéis: conciliador, mediador e árbitro. Passe o mouse nas abas para conhecer mais sobre cada um desses papéis.















FONTE: Curso de Administração de Conflitos - SENAC


Entra em cena quando a equipe não consegue administrar o conflito sozinha. É alguém que possui a confiança da equipe e que vai, através de uma comunicação informal, acompanhar o processo, dando suporte e buscando a convergência das opiniões.

Negociação

Administração de Conflitos - Unidade 3 - Solução de Conflitos em Equipe
A negociação como técnica fundamental

"O conceito de administração de conflitos está intimamente ligado à negociação. Primeiramente, porque o bom negociador tem características fundamentais para administrar o conflito; em segundo lugar, porque um conflito é sempre entre duas ou mais pessoas, de modo que a negociação se torna fundamental para equilibrar as percepções de todas as partes.
Ambos os conceitos estão diretamente ligados à tomada de decisões, à habilidade para se relacionar com o outro (habilidade interpessoal) e à busca de um objetivo que seja comum, para que as partes envolvidas cheguem a um acordo.
Tanto no processo de negociação como no de administração de conflitos, utilizar a inteligência emocional é um fator decisivo para chegar a um acordo.
Na administração de conflitos em equipes, a figura do negociador pode ser representada por alguém externo à empresa, por um chefe ou mesmo por alguém da própria equipe,e desde que atenda a alguns requisitos básicos, como a imparcialidade. 
Na administração de conflitos em equipes, em geral, a negociação integrativa é a mais adequada.
Quando todos sentem que ganharam com a solução encontrada, podemos dizer que o conflito foi positivo, ou seja, foi possível extrair dele uma contribuição para o crescimento do grupo, algo que lhes acrescentou.
Muitas vezes, a própria equipe não consegue administrar o conflito. É preciso que um gerente, alguém que seja visto como um líder no grupo, desempenhe esse papel. A essa pessoa caberá negociar com os membros da equipe, a fim de chegar a um acordo para que o conflito tenha efeitos positivos. Quem desempenhar esse papel deverá saber, antes de tudo, que precisa ser um bom negociador."

Curso de Administração de Conflitos - SENAC

quarta-feira, 20 de agosto de 2014

Brainstorming

"Brainstorming: normalmente traduzido como "Tempestade de Ideias", é uma técnica em que todos os membros da equipe participam colocando ideias que possam contribuir com a situação em debate, espontaneamente. Essas ideias serão avaliadas posteriormente, para verificar sua validade e implementação, quando for o caso."





















Fonte: curso de Administração de Conflitos - Senac

Administração de conflitos

"Em ambientes profissionais, as situações de crise apresentam características bastante peculiares, nem sempre pertinentes aos conflitos em geral. Uma equipe eficiente deve poder aproveitar as consequências positivas dos conflitos, promovendo o crescimento individual e o aumento da produtividade da organização. [...]."


"É importante ter o maior cuidado com o modo de administrar o conflito enquanto ele ainda não se alastrou por toda a empresa.
O conflito em equipes pode trazer resultados positivos, como ocorre quando novas ideias surgem a partir de discussões em que novos pontos de vista são expressos. Nesse sentido, sabemos que a ausência de conflitos pode ser nociva para a empresa, acarretando estagnação.
Entretanto, o extremo oposto, ou seja, a frequência exagerada de conflitos, acende o sinal vermelho e demonstra que algo não caminha bem."


Conflito não quer dizer necessariamente que seja uma coisa ruim, dele podem surgir sugestões, ideias, mudanças. Estimula a criatividade dos envolvidos para a busca de uma solução.



terça-feira, 19 de agosto de 2014

Desenvolvimento Econômico aprova criação de sociedade limitada unipessoal

A Comissão de Desenvolvimento Econômico, Indústria e Comércio da Câmara dos Deputados aprovou o Projeto de Lei 6698/13, do Senado Federal, que flexibiliza a legislação sobre empresa individual de responsabilidade limitada (Eireli) e institui um novo modelo societário - a sociedade limitada unipessoal (SLU). A proposta altera o Código Civil (Lei 10.406/02).

O texto retira a obrigatoriedade de capital mínimo para a constituição de Eireli e a necessidade de integralização imediata do capital . Pela proposta, as empresas passam a ser constituídas apenas por pessoa natural - pessoa física, a qual poderá ser titular de mais de uma empresa.

Hoje, conforme o código, a Eireli é constituída por uma única pessoa titular de todo o capital social. O capital deve ser integralizado imediatamente, ou seja, depositado em conta no momento de constituição da empresa, em valor 100 vezes superior ao maior salário mínimo vigente - mais de R$ 70 mil em 2014. A legislação atual não especifica qual o tipo de pessoa habilitado a constituir a Eireli - se jurídica ou natural. No entanto, limita a constituição de uma Eireli por pessoa natural.

Unipessoais
Outro aspecto do projeto aprovado é a criação da sociedade limitada unipessoal: tipo inexistente na legislação brasileira que se sujeitará às normas da sociedade limitada, exceto quanto à pluralidade de sócios. Diferentemente da Eireli, a SLU pode ter como titular pessoa física ou jurídica. Apesar de ser formada por titular único, o capital da SLU poderá ser dividido em cotas entre sócios.

A proposta prevê que, caso exista a saída de sócios de uma sociedade limitada, o único sócio restante poderá, a qualquer tempo, requerer ao registro público competente a transformação dessa sociedade em sociedade limitada unipessoal. Por sua vez, a sociedade unipessoal também poderá transformar-se em sociedade limitada, caso entrem novos sócios.

Negociações
O texto estabelece regras para as negociações entre o sócio e a sociedade. De acordo com o projeto, as transações deverão ser registradas por escrito e privilegiar o interesse da sociedade. O descumprimento dessas regras poderá acarretar em nulidade do negócio e responsabilização do sócio.

Para o relator da proposta na Comissão de Desenvolvimento Econômico, deputado Guilherme Campos (PSD-SP), é importante que as empresas sejam regularmente constituídas, sem que seja preciso ao interessado conseguir a participação de um sócio - ou sócio-laranja - para a composição de capital. Campos, que defendeu a aprovação da matéria, também ressaltou a necessidade de diminuir o número de fraudes na constituição societária: a criação das SLUs pode facilitar a organização patrimonial e administrativa de pequenos grupos societários.

Tramitação
O projeto, que tramita em regime de prioridade e em caráter conclusivo, será analisado ainda pela Comissão de Constituição e Justiça e de Cidadania (CCJ).

Íntegra da proposta:

Reportagem - Emanuelle Brasil
Edição - Marcelo Oliveira
FONTE: JurisWay

domingo, 17 de agosto de 2014

A possibilidade do uso das Práticas Restaurativas no ambiente Empresarial para prevenção e resolução de conflitos interpessoais e organizacionais 1

Bibiana Rabaioli Prestes2
Isabel Cristina Martins3

No ambiente empresarial convivem diariamente pessoas que têm uma relação profissional entre si e, dessa relação depende o bom desempenho e evolução da atividade empresarial. Para que tudo ocorra da melhor forma possível é imprescindível que a relação entre as pessoas seja equilibrada, em forma de colaboração. Porém, é difícil manter sempre esse status e, às vezes, ocorrem conflitos que vão afetar direta ou indiretamente o desenvolvimento da atividade empresarial e/ou nas relações entre Empresas, trazendo uma situação desconfortável e dispendiosa. Os conflitos interpessoais são os que ocorrem entre duas ou mais pessoas, e podem tornar o dia-a-dia de trabalho complicado para as pessoas envolvidas. Já os conflitos organizacionais são aqueles que, podendo ou não terem sido gerados por duas ou mais pessoas, vão atingir diretamente a abrangência de uma equipe ou toda a organização de uma Empresa. Para evitar que conflitos aconteçam, as Práticas Restaurativas desempenhadas por pessoas qualificadas pelo conhecimento na elaboração de “Círculos de Construção da Paz”, “Objeto da Palavra” e, também com o grandioso apoio da “Comunicação Não Violenta”, são um método eficaz na prevenção de conflitos, podendo ser executadas uma vez por mês ou na frequência que acreditarem necessárias pela Empresa, com a participação de todo o quadro de trabalhadores, direção e gerência para possibilitar uma reflexão e a colocação com pontos positivos/negativos, para fazer um check-in geral das relações. No caso de um conflito aparente e já instaurado se faz necessário analisar quais são as necessidades de cada ator, quais as consequências e refletir na busca de uma solução da forma mais positiva possível. Um conflito não quer dizer necessariamente que seja ruim, depende da forma que se lidará com ele, isso determinará se poderão ser extraídos pontos positivos ou não, e pode, por vezes, trazer uma mudança benéfica na organização, pois estimula a criatividade para soluções. Assim como na prevenção de conflitos, um conflito já instaurado pode ser objeto de Práticas Restaurativas, pois muito comumente os conflitos são gerados por algum erro de comunicação e as Práticas Restaurativas possibilitam que as pessoas se comuniquem expondo suas opiniões, seus sentimentos, suas ideias e esclarecimentos acerca do ocorrido por meio de um ambiente seguro, leve, calmo, através do diálogo, respeitando o momento de cada um e os princípios e valores que norteiam as Práticas Restaurativas na busca de resultados positivos para restauração da relação conflituosa.


Palavras-chaves: Empresas, Práticas Restaurativas, Resolução de Conflitos.
Referências Bibliográficas:
SENAC, Curso de Administração de Conflitos. Acessado em 16 de agosto de 2014.
1Resumo intitulado “A possibilidade do uso das Práticas Restaurativas no ambiente Empresarial para prevenção e resolução de conflitos interpessoais e organizacionais”, para o Entrementes, 11ª Semana Acadêmica da FADISMA, iniciado em agosto de 2014, com apoio da Faculdade de Direito de Santa Maria (FADISMA), vinculado à Área de Concentração Direito, Sociedades Globalizadas e Diálogo entre Culturas e à Linha de Pesquisa “Constitucionalismo, Concretização de Direitos e Cidadania”
2Autora. Aluna de graduação de Direito da FADISMA. E-mail: bibirabaioli@hotmail.com
3Professora Orientadora.

Supersimples beneficiará todos os advogados

Publicado em 14 de agosto de 2014.

A inclusão da advocacia no Supersimples beneficiará todos os advogados do país. Sancionada na última semana após batalha de mais de um ano, a Lei Complementar 147/14 estabelece uma tributação mais justa para milhares de profissionais, principalmente os advogados em início de carreira e pequenos escritórios. A inclusão das atividades advocatícias na Tabela IV do regime simplificado de tributação irá baratear os custos tributários para a advocacia, significando um verdadeiro estímulo à carreira.

O Supersimples será mais benéfico aos que percebem menos de R$ 180 mil por ano, sendo estes beneficiários de alíquota inferior a 5%. Os escritórios que percebem cerca de R$ 1 milhão por ano de faturamento pagarão menos de 10% de tributos. Com o escalonamento, os escritórios menores serão mais favorecidos, contudo todos saem ganhando, como é demonstrado nesta tabela. A alíquota máxima é de 16,85%, para escritórios com faturamento bruto entre R$ 3,42 milhões e R$ 3,6 milhões.

“A Ordem dos Advogados do Brasil colocou todo o seu peso institucional em favor desses valorosos colegas, que são os mais necessitados. Trata-se da mais importante conquista legislativa dos últimos 20 anos”, frisou o presidente Marcus Vinicius Furtado Coêlho.